O que ter em consideração ao escolher uma interface de áudio?

  • O que ter em consideração ao escolher uma interface de áudio?

Enquanto alguns estúdios estabeleceram uma forte relação com fitas analógicas ou digitais, a maior parte de nos, neste momento está a trabalhar com equipamentos de gravação à base de computador. E isto significa que é necessário transferir o áudio do mundo de ondas sonoras para o mundo virtual. Por isso, cada estúdio digital deve ter uma interface de áudio. E ao atualizar o seu som poderá ser tão fácil quão escolher a sua interface.

Para os fins necessários, uma interface de áudio é um dispositivo que aceita microfone analógico e sinais de linha, convertendo-os para sinais digitais para armazenamento e processamento num computador e, ainda aceitar sinais de áudio digital provenientes do computador e convertê-los em sinais analógicos para reprodução através de monitores de estúdio, auscultadores e outros equipamentos de processamento analógico.  Determinadas interfaces incluem capacidades de controlo de monição sofisticadas e, ainda, opções de roteamento flexíveis, múltiplos formatos de I/O de áudio digital e sistema de processamento do sinal digital (DSP) para processamento dos sinais e monitoramento sem latência.

Aqui ficam algumas características a ter em consideração durante a escolha da sua interface de áudio. 

1. As suas necessidades

  Seja gravações móveis, gravação de bandas, gravação de linhas vocais/guitarras principais, composições com utilização de instrumentos virtuais, gravação rápida de demos e, etc. - será um longo caminho para determinar a melhor interface que se adequa as suas necessidades. Recomendamos fazer uma lista de todas as situações que irão envolver a sua futura interface.

2. Formato de ligação

Irá ligar a interface ao computador via USB, FireWire, Thinderbold ou uma outra ligação? Algumas interfaces híbridas suportam mais do que um protocolo, no entanto esta particularidade irá restringir de uma forma considerável a sua pesquisa.

3. Número de entradas/saídas/preamps simultâneos

Pense no número de sinais que necessita de passar em simultâneo pela interface. Um para guitarra e um para vocais? Um kit de bateria? Uma banda completa? Quantos microfones necessitam das funções de pré-amplificação? Irá utilizar pre-amplificadores de microfone externos ligados via entradas line? Quantos pares de monitores costuma utilizar? Quantos terminais para auscultadores necessita para acompanhamento simultâneo de faixas? Utiliza compressores/EQs/efeitos analógicos durante a mistura? Efetue uma lista de cada entrada/saída de que necessita e o seu formato (1/4″, XLR, RCA, 1/8″, digital).

4. I/O adicionais

Necessita de entradas e saídas MIDI? E das entradas e saídas S/PDIF, AES ou ADAT? Conectividade RedNet, Dante, AVB entre outras redes?

5. DSP incorporado
Vários fabricantes oferecem DSP incorporado para utilização com plugins e monitoramentos sem latência. Não é uma característica essencial para muitas aplicações, no entanto será um bónus que poderá adequar-se às suas necessidades.

6. Qualidade de som
Hoje em dia, até menos dispendiosas interfaces de áudio têm todas as capacidades de proporcionar uma excelente qualidade de som, se utilizadas conforme. Não existem diferenças na qualidade de áudio e tonalidade oferecidas por diferentes fabricantes.

7. Preço
O preço é um fator de grande consideração.  Desta forma, deverá optar por uma interface que está dentro do seu orçamento. Algumas pessoas preferem começar com algo mais económico. Contudo, na nossa experiência, é melhor começar com algo que se adequa à sua finalidade.